COMPORTAMENTO

O MERDAS LÁ DO BAIRRO

28 Fevereiro, 2018

 

“O MERDAS DO BAIRRO, o título que preferia ter lido…”
Acabaram de partilhar comigo, no WhasApp, esta imagem que viralizou geral nas redes sociais.

 

Reza a história que muitas zonas de Lisboa acordaram hoje com este “anúncio” nos postes ao pé de suas casas.

 

Com o título “A Puta Do Bairro”, (pardon my french) em lettering “comic sans”, lê-se uma homenagem à rapariga/mulher que alegadamente “destruiu” o casamento à indignada, num texto muito pouco abonatório, seguido de fotografia ilustradora e todos os contactos da “debochada”, só faltou o número do b.i e o grupo sanguíneo.

 

Queria ter escrito um post todo eloquente no blogue sobre o que sinto quando vejo isto e outras coisas do género, mas decidi escrever curto e grosso aquilo que este anuncio me provoca.

 

CHEGA! Chega de sermos sempre as mesmas a acusarmos as mesmas. Porque é que nós mulheres fazemos isto umas às outras? Por sinal era com esta mulher que este homem estava casado? NÃO! Por acaso era com esta mulher que ele tinha trocado juras de amor eterno e fidelidade? Não!
Se a sua conduta é questionável? Talvez. Mas isso fica para a sua consciência. Não sinto que tenhamos moralidades para julgar.
Mas o que aqui conta é o HOMEM! Vou repetir: O HOMEM!!!

 

Por acaso o homem por engano sentou-se no colo desta mulher e…ups?! Não! Por acaso foi obrigado a manter um caso extra-conjugal só porque sim? Não!
Então porque não vimos o mesmo anuncio mas com a cara do marido e o título “O MERDAS DO BAIRRO”?!?!?!?

 

Já o disse: seria uma aplicação genial se criassem uma espécie de Tinder em modo Google-de-cadastro-emocional-e-sexual onde quem fizesse merda contava para o cadastro, só numa de avisar quem viesse a seguir.
Tipo tipo: “Joaquim, 40 anos, divorciado por ter metido os cornos à mulher que tinha acabado de parir”. Epá, e quem viesse a seguir já sabia ao que ia. Just saying… Mas nãooooooo! Bora lá encavar na outra porque é sempre TÃO MAIS FÁCIL!

 

Não sei se esta senhora ficou mais leve depois disto, se se sentiu melhor depois do anúncio, se alterou alguma coisa na forma como estava a viver a sua vida, mas a mim parece-me que este não é de todo o caminho para nos respeitarmos mais e para conquistarmos mais respeito, muito menos quando queremos gritar ao mundo que fomos desrespeitadas…
Não podemos salvar a nossa vida quando, para isso, necessitamos de destruir a vida dos outros. #KARMAISABITCH👊

2

Comments

  1. Ana

    8 Março, 2018 at 17:14 Responder

    *ilustrativa

  2. Buyviagra

    15 Março, 2018 at 0:10 Responder

    Obrigado Felix!

  3. dessi

    15 Março, 2018 at 15:52 Responder

    En definitiva, puedo opinar o no? Puedo contar cosas que la mayoría no sabe porque pasaron en el interior, o no puedo? Puedo tener otro punto de vista o no puedo? Son de los que eligen con quien debatir o no? Les molesta lo que digo? Acaso miento? Saben que tipo de persona soy? saben si juguè mucho o poco al rugby? acaso saben si fui entrenador por mucho tiempo? Disculpen mi ignorancia, pero me prendi en un blog de rugby y por ser distinto, y eso que lo maximo que dije fue “forro, ya me trataron de pelotudo, de pobre, de estupido, de camarillero, de todo menos lindo, pero siempre fui respetuoso y aunque fuerte, nunca desleal, como cuando jugaba. Un abrazo 4 4 cheap viagra

Leave a comment

About