culture, inspirations, life&love

Como convencer um homem a ir connosco ao Mercado mais Cool deste Inverno | Cool in Town

3 Dezembro, 2014

Eu já tinha apontado na agenda o dia 30 de Novembro para ir ao tão aguardado Winter Market Stylista. O mercado que está cheio de coisas maravilhosas para ver e comprar, em antecâmara para o Natal, e que só acontece DUAS vezes por ano. Tinha MESMO que estar em Montes Claros, Monsanto, desse por onde desse!

O pior foi que desde o dia em que marquei na agenda e o próprio do dia do mercado, distaram muitos outros que me deixaram completamente perdida no calendário e sem saber o que já tinha combinado (palminhas para mim). Resultado: quando voltei a olhar para a agenda já tinha nesse mesmo domingo combinado uma cãominhada (eu explicarei noutra crónica o que vem a ser isto), compras natalícias e um almoço de aniversário inalterável. Mas à parte das capelinhas que teria que percorrer, assim com’ássim eu já estou habituada a living la vida louca, o pior mesmo era convencer o Homem, o homo sapiens sapiens maculinis lá de casa, a embarcar nesta loucura. É que este espécime em concreto é completamente avesso a tudo o que envolva recintos fechados com muitas (ou poucas) pessoas, compras, roupas, mulheres histéricas com compras e roupas, confusão, enfim… tudo o que grita mercado ele ODEIA de morte. E foi assim que começou a minha luta interior para tentar aligeirar o processo e convencê-lo de que podia vir comigo “à confiança”, que ia ser easy, breezy, que num abrir e fechar de olhos estávamos despachados, sem que ele tivesse a oportunidade de começar a ficar chateado.

Introduzi o assunto em modo fofinho na véspera, quando senti que ele estava de bem com a vida, e assim num “repan”, tungas! Lá introduzi o assunto. Bingo! Ele mordeu o isco. Disse-lhe que era uma coisa que precisava para a revista e que ia escrever uma crónica sobre o evento (já disse que estou a amar este trabalho? Não?! Estou a amar!), mas que ele podia confiar em mim que ia ser muito rápido, que só precisava de captar o look and feel da coisa. Check, check, check. Ao dizer que sim, não voltei a falar no assunto. Pianinho.

No domingo de manhã, durante o passeio matinal lá me foi fazendo algumas perguntas sobre o mercado, um bocado de pé atrás porque percebeu que já tinha dito que ia (pumbas!). Disse-lhe que ia ser em Monsanto, que quaseeeee de certeza ia haver estacionamento garantido (estava a mentir com todos os dentes que tinha porque não fazia a mínima ideia. Shiuuuuuuuu), porque para o Homem isso é mais um dos pré-requisitos para o seu deslocamento ao exterior da toca. Depois perguntou-me se também havia coisas para ele ver, eu disse que sim, claro! E ele ficou-se por estas perguntas introdutórias.

Há medida que o dia foi avançando ele ia-me dando uns olhares e umas dicas de que deveria ser rápida no mercado porque ele já estava super cansado e que tínhamos que ir passear a nossa filha de quatro patas, e coitadinha da bichinha, etc e tal. E eu: sim, sim, sim. Tudo SIM! Até que chegámos aos belos dos Montes Claros. CENTENAS DE PESSOAS! Comecei a ver a minha vida a andar para trás. Sorte das sortes encontrámos lugar à porta. Obrigada Deuses-do-Consumo! Pegámos dois euros para entrar (paguei eu!) e começámos a explorar o espaço que apesar de já serem 18h30 estava à pinha. O.M.G.

Ele começou a revirar os olhos, como que a dizer “onde é que eu me vim meter!?”, mas eu cumpri com o plano e é aqui, meninas, que tem que entrar o nosso engenho na arte de bem persuadir. A saber:

– Evitem colarem-se às pessoas que estão a popular freneticamente as bancas. Stay away! Vejam de longe, mais a trás, no corredor central;

– Promovam a circulação e ar entre o vosso homem e os restantes transeuntes. É importante para a oxigenação do cérebro para não pensar tolices;

– Finjam que também estão incomodadas com a confusão. O sentimento de solidariedade é sempre bem acolhido;

– Vão dizendo, avulso, que afinal não estão a gostar assim de nada em especial. O que é mentira, porque estão naquele momento a pensar em tudo o que gostariam de surripiar para ter no armário. Mas o importante é dizer que não;

– Não comprem nada. Peguem nos cartões das lojas e comprem depois online. Eles vão gostar dessa sensação (aparente!) de que não gastaram dinheiro. Tão ingénuos…;

– Se houver banquinhas com comida, como era o caso, ofereçam-se para ir lá buscar qualquer coisa. O ditado popular “um homem conquista-se pelo estômago” não apareceu do nada. Eles aliviam a bílis quando ingerem quelque chose. Ok!?;

– Vão pedindo a opinião dele para algumas coisas, apesar de não precisarem. ÓBVIO!;

– E, efectivamente, mexam os vossos rabos e olhos para verem o mercado bem depressa, é que o plano só vale se não ficarmos lá eternidades.

Só vos posso dizer que depois de termos visto o primeiro piso ele até, na força dos nervos, me advertiu para o facto de existir um segundo (ai queres mais?! tens a certeza?). Nem perguntei nada. Subi as escadas, mantive o plano e, em menos de nada, estávamos a sair de lá felizes e contentes, com tudo visto e comentado em meia hora. Oh, yeah!

Não sei se foram as minhas tácticas infalíveis para levar um espécime masculino às compras que resultaram, ou se o facto deste mercado ser mesmo muito giro e cool o transformaram. Mas RESULTOU! Parabéns à Stylista pelo trabalho, mais que não seja porque conseguiu converter um verdadeiro ateu-consumista num recém-baptizado.

Agora tenho que ir porque preciso de começar a contactar todas marcas e roupas maravilhosas que lá vi e que o meu armário quer adoptar, tipo, tipo… JÁ!

Spread the word, ladies que eu não vivo sempre.

E vocês? Que truques têm para levar os vossos homens às compras?! Contem-me tudo e não me escondam nada!

0

Leave a comment

About