culture, life&love

InShape | I LOVE DAD BOD. SÓ QUE NÃO!!!!

2 Julho, 2015

Hoje, quinta-feira, é dia de crónica na In Shape!!! Yayyyyyyyyyyyyyyyyy!!!
Para quem já sabe é só continuar a acompanhar. Para as minhas lindezas que chegaram agora ao blog, já têm mais uma publicação onde podem dar uma vista de olhos nos meus devaneios semanais.

Chama-se In Shape, é uma nova plataforma online de noticias, artigos científicos e opinião na área do desporto, saúde e bem-estar, com mega dicas sobre exercício físico, alimentação e fitness. TOP!

A crónica desta semana versa sobre o tema “Dad Bod”. Não sabem do que estou a falar? Então continuem a ler:

Título: O Love Dad bod. SÓ QUE NÃO

Mas quem é que inventou esta moda?! E não estou a falar de alguns zum-zuns nas redes sociais. Não! Estou a falar de imensos artigos de fundo, escritos na grande imprensa internacional, como o The New York Times (que é um dos mais sérios jornais do mundo) que decretaram o dad bod como a última coca-cola do deserto.

Para quem tem estado mais desatento às últimas noticias eu passo a explicar: Dad, é pai e bod, é o diminutivo para body, que significa corpo. Já estão a perceber o esquema, não é? Diz-nos o mundo que o corpo à lá pai é que está a bombar na estética da moda. Acham que estou a brincar? Não estou! Mas acham que acredito? Nop! Para mim o dad bod é um mito urbano e não existe nenhuma moda de homens barrigudinhos a fazer sucesso nas ruas, nem nas praias
deste país. Barrigudos fofinhos não é a nova moda Primavera-Verão 2015.

Aliás, punha o meu dedo indicador direito, da mão direita, no fogo como foi um homem que lançou esta moda. Só pode, não é meninas?!?

Quem é que prefere um dad-barrigudinho-não-malhado a um corpão-masculino-todo-traçado?!
Gri, gri. Gri, gri (som de grilos). Bem me parecia…

Eu percebo que há quem tenha um certo apego à sua barriguinha de cerveja, às tardes de domingo passadas no sofá, ao chegar a casa depois de um dia de trabalho e entregar-se à PlayStation em vez de ir para o ginásio. Eu percebo! 
Eu sei que é difícil resistir à feijoada da D. Isabel, no restaurante de canto lá da rua do escritório, que nos tenta todas as quartas-feiras, e é muito difícil não passar pelo Mac em dias de jogo. Mas… AZAR! Essa barriga está OUT e quem o diz não sou eu, são todas as pessoas que estão cada vez mais a aderir a um estilo de vida saudável.

Tanto sumo verde, tantas sementes, tanto ataque ao coitado do glúten, tantos vídeos de fitness publicados, tantos artigos de saúde e bem-estar na Internet, para agora me virem dizer que ter barriga, nos homens, é a nova moda?! “No, no no, nooooooo don’t funk with my heart”!

Esta moda não compro e acho (digam-me de vossa justiça!) que as mulheres também não tiveram uma palavra a dizer sobre o assunto. Pumbas!

Sim, eu sei, o Leornardo DiCaprio anda fora de forma, mas só porque ele anda sempre cheio de modelos atrás não significa que virou moda. Não, amigos. Se este é o vosso argumento “se o Leo consegue, nós também conseguimos”, esqueçam. Ele só se safa (que não se safava cá para os meus lados) porque é o Leonardo DiCaprio – estrela cinematográfica, celebridade, com uma conta bancária bem recheada – não é porque tem barriga, senhores.

Agora vou lançar barrotes para a fogueira. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
E se, e se fosse o Mom Bod?!?!? Ah, ha!!!! Alguém escreveu alguma coisa sobre a nova moda que é o corpo das mães?!?! Nãooooooooooooooooooo!!!! Ah, pois é! Está na moda o corpo do paizão desleixado e da mãe que teve que parir!?!

Nada! Zero! Silêncio! Ninguém diz que é giro. Pois… uma grande injustiça é o que vos digo!

O que me leva à minha teoria de que esta imagem foi veiculada por um homem, barrigudo, que não faz exercício físico e está sentado na sua secretária conservadora, algures no último piso de um prédio de uma grande editora internacional.

Mas também não estou a atirar pedras a quem não quer mexer o derriérre no ginásio. Longe disso. Toda a gente é livre de fazer com a sua vida e com o seu corpo o que quiser. Amém.

E até é um facto comprovado pelo senso-comum que há mulheres que têm um carinho muito especial pelas barriguinhas dos seus homens, que acham super sexy o homem que pega no bebé (que concepção psico-evolucionaista tão edipiana) e que está no sofá simplesmente a ser ele próprio, agarrado ao chão da gruta (casa) onde co-habita, perpetrando uma imagem de quarentão resolvido dos anos 70/80. Como o meu pai, portanto (desculpa paizinho e à tua barriguinha)!

Não. Não me convencem. Uma coisa é serem hipsters, lumbersexuais, gastrosexuais, metrosexuais, ou outros sexuais afins, que implicam apenas umas alterações de guarda-roupa, no frigorífico ou de penugens corporais. Outra coisa é dizer que se escolhe um estilo de vida menos saudável e que se diz não ao ginásio. A mim não me enganam, são os homens que querem que isto seja uma tendência.

Amigos, fiem-se na virgem e não corram (literalmente).
Aliás, acreditam mesmo que uma mulher acha graça ao pneuzinho, ao desleixo, ao não-exercício físico? Não! Comentamos nas revistas. Achamos piada aos artigos que nos tentam influenciar, mas no final? No final, amigas e amigos, estamos todas a fazer fila para a ante-estreia do Magic Mike XXL.
Eu, já comprei bilhete e vocês?!

0

Leave a comment

About