culture

O QUE É QUE SE PASSA CONTIGO, LISBOA?!

19 Maio, 2016

Escrevo-vos no rescaldo de uma manhã pautada pelo nervo e a aflição.
Hoje aconteceu aquele belo momento em que temos que levar o maridão à oficina para deixar o carro a arranjar, por acaso essa oficina fica na outraaaaa pontaaaaa da cidade, e depois tens que regressar ao trabalho, que fica exactamente na ponta oposta. Estão a perceber o drama?!
Até aqui tudo bem. A ideia é boa. A intenção é meritória. É fofo! Porém, quando nos metemos à estrada com mais de duas horas de antecedência, porque somos essas pessoas precavidas, não esperávamos encontrar Lisboa como está. Como assim?! Como assim?!!?!?
TUDO ESTÁ EM OBRAS! T-U-D-O!!!
Os acessos estão todos lixados porque as pessoas estão desesperadas por alternativas, as estradas principais da cidade estão caóticas porque há estrangulamentos de faixas, buracos no chão, poeira no ar, camiões a passar, desvios, caminhos alternativos, riscas amarelas no chão, UFA! É muita obra ao mesmo tempo!!!
Mas como é que isto tudo aconteceu? Houve de repente uma verba para obras públicas de última hora, ligaram para todos os construtores e disseram “Borá lá, é agora ou nunca!”!??!?! E seguiu-se uma invasão de escavadoras?! É que não se percebe! Assim pela força dos nervos, não há nenhuma equipa de gestão e planeamento destas obras públicas que programasse o inicio e o término de cada obra de forma a que não calhassem todas ao mesmo tempo!??! É que… HELLO!?!? está tudo a acontecer AGORA ao MESMO TEMPO!!!
Levámos DUAS HORAS para fazer um trajecto que no máximo demorava 40 minutos. Esperámos, desesperámos, apitámos, fizemos de tudo, mas o mais triste é ver a cidade assim: esburacada, poeirenta, sem brilho, sem magia. E logo agora que a nossa cidade fica linda, ou deveria por a sua melhor roupa, para as festas de Lisboa e para os milhares de turistas que aparecem por estas alturas.
Que triste… que triste mesmo… Eles já sabem que estamos em crise, mas não era preciso atirar-lhes poeira para os olhos.
Disse. 
0

Comments

  1. Vee

    19 Maio, 2016 at 15:52 Responder

    Chamam-se eleições e deixar obra feita. O "presidente" da CML quer ficar mais uns anos e quer mostrar que fez imensa coisa pela cidade…

  2. Ana Garcia Rosado

    27 Maio, 2016 at 20:02 Responder

    Caso clássico de "dá deus nozes a quem não tem dentes" ou as obras nunca, mas nunca, são onde há realmente necessidade. Se aqui a chafarica estivesse assim toda em obras, eu estaria em delírio.

  3. Ana Garcia Rosado

    27 Maio, 2016 at 20:02 Responder

    Caso clássico de "dá deus nozes a quem não tem dentes" ou as obras nunca, mas nunca, são onde há realmente necessidade. Se aqui a chafarica estivesse assim toda em obras, eu estaria em delírio.

Leave a comment

About